Blog

Ansiedade X Pandemia: o que fazer com as consequências?

219 Views0 Comment

Por: Regina Mello – Psicóloga

Quantas vezes você já se pegou com o pensamento no futuro? Com preocupações sobre o que vai acontecer, ou o que você fará em alguma situação da qual não tem controle no momento? Você pode não se dar conta do real problema envolvido em situações como essa, mas isso tem um nome: ANSIEDADE.
Com a pandemia do COVID-19 esse assunto tem se destacado como uma grande consequência do isolamento social. Ficar em casa por grandes períodos, sem contato com pessoas que antes faziam parte do nosso dia a dia, o medo do desconhecido e as preocupações com as grandes instabilidades que esse momento nos traz são questões consideradas como agravantes de um mal que sempre existiu, mas pouco se falava.
A ansiedade, apesar de ser algo natural do ser humano e que por muito tempo serviu para a sobrevivência da nossa espécie, ganha notoriedade quando passa a prejudicar nossa rotina, impedindo nossa mente de viver o presente e deixando nossas emoções a flor da pele.
Os grandes impactos da pandemia no Brasil não são novidade, mas o que necessita de atenção é o que faremos com as consequências? O que faremos com a nossa saúde mental pós pandemia? Será que existe solução para toda essa ansiedade que a pandemia nos trouxe?
O primeiro passo é reconhecer que sim, a pandemia deixará grandes marcas pelo mundo e na vida de todos, muitos se foram e tantos outros ficaram sem um ponto de apoio. Mas isso não significa que essas marcas vão definir todo o restante das nossas vidas. É preciso refletir, aceitar e agir em prol da nossa saúde mental.
Identificar uma crise de ansiedade pode não só te ajudar a enfrentá-la, como também pode te auxiliar na hora de ajudar um amigo que passa pelo problema. A informação em horas como essas são fundamentais e podem evitar consequências desagradáveis. Apesar das sensações ruins como batimento cardíaco acelerado, tensão muscular, formigamentos pelo corpo, boca seca, dificuldade de concentração, e tantas outras, essas reações são comuns e esperadas durante uma crise de ansiedade, mas é o que você faz frente e elas que muda a situação.
A ansiedade como já falado aqui, ajudou nossa espécie por muito tempo, gerando reações de luta ou fuga quando um perigo real ou imaginado estava por vir, garantindo nossa sobrevivência. Por isso, entender que essas reações são naturais alivia o medo do desconhecido e te leva para a segunda parte do enfrentamento de uma crise: a ação.

Agir durante uma crise pode parecer difícil quando tantas sensações ruins estão tomando conta do nosso corpo e mente, mas é crucial entender que você tem domínio sobre seu corpo e é capaz de tomar as rédeas da ansiedade com dicas simples e eficazes;

*Respirar de forma calma, prestando atenção no ar que entra e saí lentamente do seu corpo, o que já te ajuda a desviar o foco das sensações ruins e também auxilia no relaxamento da musculatura que fica tensa durante a crise.
* Observar e prestar atenção no ambiente a sua volta também pode servir como uma distração dos sintomas e reações ruins que são sentidas.
Mas o que fazer quando a crise se instala por grandes períodos e as técnicas de controle da ansiedade já não surtem o efeito esperado?
Esse é o momento de reconhecer que está na hora de pedir ajuda profissional, sendo uma boa alternativa pesquisar por profissionais da saúde como psicólogos e psiquiatras. A psicologia e a medicina estão aí para promover saúde física e mental, agindo a favor das nossas vidas. Cuidar da nossa saúde como um todo é cuidar e zelar por nós mesmo. Afinal, você é a pessoa mais importante da sua vida.
Sigam no Instagram: @psi.reginamello

Regina Mello – Psicologa